Sesc Jazz & Blues traz panorama da produção contemporânea

Escrito por em 10/08/2016

Confira aqui a programação completa do evento que vai agitar São Carlos no ginásio do SESC São Carlos. Ingressos e mais informações www.sescsp.org.br/saocarlos
Carolina Zingler e Nuvens
Esquina do Jazz
Com a finalidade de apresentar seu novo álbum, Carolina Zingler e sua banda “Nuvens” iniciaram um movimento de música de rua. Com seu violão e repertório, seu “kit música de rua”, um breve cenário composto por tapetes, incensos, abajures, uma mala vintage cheia de CDS e seu chapéu, Carolina resolveu procurar uma charmosa esquina na principal avenida de São Paulo e apresentar o novo repertório para quem quiser ouvir.
Dia 18, quinta, às 19h.
Área de convivência externa. GRÁTIS. Livre

The Headcutters (BRA)
The Headcutters é uma banda de blues brasileira, de Itajaí, Santa Catarina, com três CDs lançados: “Back to 50’s” (2009), “Shake That Thing” (2013) e “Walkin’ In USA” (2015). O som da banda tem o estilo do blues feito em Chicago durante os anos 1950 e 1960, e as composições têm letras em inglês. Já acostumado com performances em território estrangeiro, o grupo se apresentou em 2015 com grande sucesso na Argentina. Mas foi em 2014, em turnê nos Estados Unidos, com apresentações em 18 cidades em cinco estados, que surpreendeu os gringos, criadores do gênero.
Ficha técnica: Joe Marhofer: gaita e vocal / Ricardo Maca: guitarra e vocal / Arthur “Catuto” Garcia: contrabaixo acústico / Leandro “Cavera” Barbeta: bateria.

João Donato apresenta ‘Donato Elétrico’ (BRA)
Parceiro de Tom Jobim (1927-1994), João Gilberto e Eumir Deodato, entre outros afortunados músicos, o pianista, compositor e arranjador João Donato, 81, teve suas composições gravadas pelo saxofonista Cannonball Adderley (1928-1975), pelo guitarrista Wes Montgomery (1923-1968) e pelo flautista Herbie Man, entre vários ícones do jazz. Os cantores brasileiros Emilio Santiago (1946-2013), Caetano Veloso, além de Gal Costa e Nana Caymmi, em meio a outros, também registram composições de Donato, considerado um gênio da simplicidade sofisticada. “Donato Elétrico”, projeto idealizado e dirigido pelo jornalista Ronaldo Evangelista e lançado em CD pelo SeloSesc, traz músicas inéditas do autor de “A Rã” e “Bananeira”. Acompanhado por uma banda jovem que inclui membros do grupo Bixiga 70 e outros músicos centrais na atual cena de São Paulo, Donato mostra no festival a sonoridade cheia de groove dos anos 1970 deste novo trabalho.
Ficha técnica: João Donato: teclados vintage elétricos / Décio 7: bateria / Mauricio Fleury: guitarra / Marcelo Dworecki: baixo elétrico / Guilherme Kastrup: percussão / Rômulo Nardes: percussão / Douglas Antunes: trombone / Richard Fermino: sax, flauta / Cuca Ferreira: sax, flauta
Dia 18, quinta, a partir das 20h30.

Ginásio de eventos. 14 anos
Ingresso – R$ 50,00 / R$ 25,00 / R$ 15,00


Aula-espetáculo
Na Trilha do Blues Com Duca Belintani
Na forma de contador de causos, o músico contextualiza a história do blues americano com os momentos históricos, sociais e políticos da época, através de citações do período da escravatura à liberdade, da revolução industrial à eletricidade, além de trazer as histórias das lendas do blues, como a aparição do bottleneck (cilindro de vidro muito utilizado no blues), do cigar box (instrumentos feitos de caixa de charutos) e a fábula de Robert Johnson. Costurando o texto, canções tradicionais executadas ao vivo pelo guitarrista ilustram os períodos citados.
Dia 19, sexta, às 19h.
Área de convivência externa. GRÁTIS. Livre

Souljunkies (ARG)
O som desta trupe de Buenos Aires mistura na dose certa peso, suingue e vocais marcantes, amparado por um naipe de metais que potencializa sua sonoridade dançante. Uma breve audição nos remete ao som das bandas que acompanhavam artistas do rhythm’n’soul dos anos 1970, principalmente os elencados e gravados pelos selos Motown, Ric-Tic, Atlantic, Atco, Okeh e Stax Records. O Souljunkies tem trabalho reconhecido na Argentina e essa é a primeira vez que se apresenta em terras estrangeiras. Com certeza, a universalidade de sua música os fará muito bem-vindos.
Ficha técnica: Oswaldo ‘Waldo’ Raffin: vocal / Rodrigo ‘Roly’ Tallarico: guitarra / Ramiro Nanclares: bateria / Alberto ‘Fioro’ di Fiori: baixo / Macarena ‘Maca’ Alvorado: trombone / Gaston Donke: saxofone / Martin Adrian Alvarez: trompete.

Lurrie Bell
Blues in my soul
O guitarrista norte-americano Lurrie Bell, 55, nasceu em Chicago e com pedigree forte no blues. Seu pai era Carey Bell (1936-2007), considerado um dos melhores gaitistas de blues de seu tempo. Quando tinha apenas 5 anos de idade, Lurrie pegou um violão do pai e aprendeu a tocar sozinho. Conviveu com as lendas do blues de Chicago, entre eles o gaitista Big Walter Horton (1917-1981) e os guitarristas Eddie Taylor (1923-1985) e Eddie Clearwater. Contudo, foi com Muddy Waters (1913-1983) que teve sua orientação bluesística para a música. Com o pai, Lurrie realizou vários shows adquirindo vasta experiência, além de ter gravado com ele três de seus 20 CDs: “Son of a Gun”, “Dinasty” e “Second Nature”. Lurrie Bell tem o blues no sangue e na alma.

Ficha técnica: Lurrie Bell: guitarra / Melvin Smith: baixo / Willie Hayes: bateria / Pete Galanis: guitarra
Dia 19, sexta, a partir das 20h30.
Ginásio de eventos. 14 anos
Ingresso – R$ 50,00 / R$ 25,00 / R$ 15,00


Jazz ao Pôr do Sol
Intercalando standards de jazz, músicas autorais e improvisação, o Jazz ao pôr do sol é uma atividade ao ar livre voltada para toda a família, que mistura discotecagem, música ao vivo e uma oficina para as crianças. Tudo isso em clima de festa, de pic-nic, de descontração. No comando das pick-ups, o DJ Tahira passeia por diversos clássicos e temas dançantes do gênero, abrindo espaço para as músicas do TRZ Trio, grupo de São Carlos, que forma a base instrumental ao lado do saxofonista paulistano Marcelo Monteiro.
Ficha técnica: DJ Tahira: pick-ups / Fernando TRZ: teclados / Paulo Almeida: bateria / Fabiano Nunes: contrabaixo / Marcelo Monteiro: sax
Dia 20, sábado, das 15h às 18h30.
Quintal. GRÁTIS. Livre

David Tanganelli (BRA)
O brasileiro David Tanganelli é gaitista, cantor, compositor e bluseiro versátil e experiente, pois já tocou e dividiu palco, no Brasil e no exterior, com os norte-americanos J.J. Jackson, John MacField, Johnny Nicolas e Mark Kelb. Aqui, “atacou”, entre outros, com a dupla de sertanejos Rick & Renner. Gravou três discos: “Da Vila para o Blues”, “Bluzora I” e “Tupiniking”. No Festival Sesc Jazz & Blues, Tanganelli mostra músicas autorais de seu novo disco, “Up”. O CD tem participações especiais do grupo Funk Como Le Gusta, da cantora norte-americana Rachel Zeigler e do cantor norte-americano J.J. Jackson, entre outros, para mesclar swing, jump blues style, soul music, R&B e funk da black music norte-americana.
Ficha técnica: David Tanganelli: voz e harmônica / João Leopoldo: piano e voz / Felipe Côrtes: baixo / Eduardo Belloni: guitarra e voz / Helio Cunha: bateria
Dia 20, sábado, às 19h.
Área de convivência externa. GRÁTIS. Livre

Jorginho Neto convida DJ Erick Jay
Entre os anos 1960 e 1970, o samba-jazz se firmou no Brasil e no exterior balançando esqueletos. Carregado de suingue, picardia e humor, este gênero que mistura harmonias e melodias do jazz com a batida rítmica do samba tem no som do trombonista paulista Jorginho Neto um de seus melhores representantes. Elogiado pelo mestre Raul de Souza, Jorginho traz uma mescla de seus dois álbuns, “Samba-jazz” (2012) e “Leste” (2015). Capaz de transportar o público para uma autêntica gafieira, Jorginho convida para os shows do festival o DJ Erick Jay, mago das pick-ups e um dos maiores nomes do scretch mundial para misturar seu samba-jazz com o rap e abalar as mais sólidas estruturas.
Ficha técnica: Jorginho Neto: trombone / Bruno Migotto: baixo / Bruno Tessele: bateria / Edson Santana: piano / DJ Erick Jay: pick-ups

Wee Willie Walker (EUA)
Nos anos 1960, Willie Walker, 74, hoje conhecido como “Trovão da Soul Music”, morava em Memphis, onde integrava um grupo de gospel chamado The Redemption Harmonizers. Mudou-se para Minneapolis e passou a cantar no The Valdons, um grupo de rock. De lá para cá, chegou a ser comparado aos consagrados O.V. Wright (1939-1980), Marvin Gaye (1939-1984), Otis Redding (1941-1967) & Sam Cooke (1931-1964) e Little Richard. Experiência não lhe falta! O homem trabalhou com lendas do blues, entre elas o ícone John Lee Hooker (1917-2001). Seu último CD, “If Nothing Ever Changes”, é a mais pura linguagem do soul. Não à toa, foi indicado a três prêmios do Blues Music Award 2016: álbum do ano, álbum de soul blues e artista masculino de soul blues.
Ficha técnica: Wee Wilie Walker: voz / Igor Prado: guitarra / Yuri Prado: bateria / Rodrigo Mantovani: baixo elétrico / Luciano Leães: teclado
Dia 20, sábado, a partir das 20h30.
Ginásio de eventos. 14 anos
Ingresso – R$ 50,00 / R$ 25,00 / R$ 15,00

 

Marcado como

Opinião dos Leitores

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios *


Rádio UFSCar

Tocando agora
TITULO
ARTISTA