Rádio UFSCar entrevista Juçara Marçal

Escrito por em 10/11/2015

No dia 6 de novembro, Raul Ribeiro entrevistou a cantora e compositora Juçara Marçal, e agora você pode conferir a entrevista transcrita na íntegra.

Raul: Temos uma curiosidade, Juçara, você lançou diversos projetos nesses últimos anos, com a Barca, com Metá Metá e carreira solo, agora com o recém projeto com Cadú Tenório, participação em outros discos, é muita coisa, como você consegue conciliar tantos shows e tantos trabalhos?

EncarnadoJuçara: Eu acho que é um trabalho mesmo de ir coordenando e é sempre complicado a administração das agendas, mas é factível, porque cada trabalho tem uma história muita única, quando você entra naquele trabalho você tem a possibilidade de mergulhar nele especificamente, mas trazer todos os que estão à volta para ajudar nesse processo, e um vai ajudando o outro, é muito legal nesse sentido.

Raul: Vamos falar um pouco sobre o seu último trabalho, a gente escolheu para estreiar na nossa programação a música “Candombe” e gostaríamos de saber como foi a experiência de participar de um projeto de caráter tão experimental, de onde veio o interesse em desenvolver uma obra tão livre de saídas convencionais, porque o último trabalho Anganga tem esse caráter bem experimental, junto com as coisas que o Cadú Tenório também faz.

Juçara: Sim, acho que o Cadú dá esse caráter para o trabalho, ele tem um jeito de construir arranjos que é muito próprio, que é muito inovador, que é muito singular e foi isso que me encantou, logo que eu ouvi as primeiras coisas que um amigo me apresentou, eu achei incrível e quando surgiu a possibilidade de fazer a parceria, o que me instigou mais foi, justamente, essa possibilidade de colocar a voz num trabalho que em si já era tão incrivelmente potente. Então é muito enriquecedor, é um outro jeito de pensar o arranjo, tudo o que ele faz é milimetricamente pensado, não é nada aleatório, é muito bem construído e estruturado, então realmente é um aprendizado para mim entender um outro jeito de fazer o arranjo, um outro jeito de colocar a voz dentro de uma sonoridade que também é muito especial.

Raul: E o Cadú Tenório opta por saídas não convencionais…

Juçara: É muito não convencional do ponto de vista rítmico, do ponto de vista das camadas sonoras, da fonte sonora, ele usa muitos recursos desde fita cassete, violino preparado, é uma coisa assim muito impressionante mesmo de riqueza de assunto, é muito legal trabalhar com ele. A gente tá bem no processo de se conhecer mesmo, porque o disco todo foi feito à distância, aí a gente ensaiou para o lançamento que teve aqui em São Paulo, e aí a gente vai fazer um [show] agora em BH em um festival. Então cada novo encontro é mais rico de conhecimento e afinidade.

Raul: E quais são as expectativas para o primeiro show em carreira solo, porque você já tocou em São Carlos com a Metá Metá, o que a gente pode esperar do Encarnado ou de outras músicas de outros projetos também para o show desta quinta-feira, no Sesc?

Juçara: Então, a gente vai apresentar o Encarnado, com a participação do Thiago França, a gente fez nesse formato lá em Salvador e foi muito incrível, então vamos refazer esse formato em São Carlos. Foi muito legal as vezes que eu fui aí, eu já fui com a Barca antes, depois com a Metá Metá e tem um público muito interessado, que é até formado pela própria Rádio UFSCar, então isso é muito legal porque já tem um público que conhece, que vai sabendo do que se trata, ninguém cai de paraquedas na história, rs, então isso pra gente é muito legal e a expectativa é só positiva em poder apresentar esse trabalho. Vou levar alguns vinis que acabaram de ficar prontos, então vai ter vinil do Encarnado, além do CD. Vai ser uma grande festa!


Opinião dos Leitores

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios *


Rádio UFSCar

Tocando agora
TITULO
ARTISTA