Peixefante – Lorde Pacal

Escrito por em 06/07/2015

Sempre gostei da ideia de álbuns conceituais, gosto do que eles representam. Um trabalho completo, com todas as músicas interligadas, esse tipo de disco tem uma pegada cinematográfica. Não é só ouvir as faixas, mas entrar no clima, viver outra vida e, ao terminar, retornar ao mundo real. Porém, você não volta o mesmo, parece que depois dessa experiência você amadurece. O principal exemplo disso são os trabalhos do Pink Floyd, mas eles não são os únicos.

Recentemente me deparei com a banda goiana Peixefante e seu primeiro álbum Lorde Pacal. Depois de ouvir os primeiros singles, “Por Baixo da Blusa” e “Cruzada Moderna”, a expectativa só foi aumentando em relação ao que viria e o resultado foi muito mais que o esperado. Lorde Pacal é profundo, místico e muito bonito.

Gravado, mixado, masterizado, além de toda parte artística, foi produzida pela própria banda. O disco tem sete faixas divididas em capítulos de uma mesma história, que é narrada por meio de riffs, efeitos e belas melodias. Mas para entender melhor essa história, é preciso saber quem é Pacal. Ele foi um rei maia que governou há muitos séculos. Segundo registros antigos de pirâmides e inscrições feitas pelo próprio Pacal, a humanidade é abençoada de tempos em tempos com a vinda de deuses que trazem ensinamentos sobre a ciência, como ciclos das colheitas e o eixo magnético da Terra. Como também, lições sobre a ilusória vida levada na Terra até nos elevarmos aos céus. Esses deuses são chamados de Serpentes Emplumadas. Sabendo disso, podemos agora entender melhor o álbum, que conta uma espécie de jornada do herói. O disco começa com o início da vida em comunidade, onde o homem pode viver, ao invés de sobreviver, assim, ele não se preocupa com os perigos do mundo e passa a refletir sobre questões que vão além da sua compreensão. A partir daí, vem a consciência de que o mundo que nós vivemos é muito maior do que parece. Então começa a viagem pelo cosmos em busca das respostas universais. A relatividade do tempo nós leva a pensar que dias viajando são anos na Terra e nos damos conta de que sentimos falta do que deixamos em casa, dos parentes, amigos e situações cotidianas. Percebemos que é hora de voltar. Porém, a Terra pode não ser mais a mesma, e a vida como conhecemos poderia não mais existir. Voltaríamos como seres extraterrestres para nossa própria casa. Nós retornaríamos como a serpente emplumada que desce dos céus trazendo luz e conhecimento. Profundo, não?!

Provavelmente essa é a principal qualidade da banda, que já no primeiro trabalho trazem um assunto complexo, a uma questão existencial do eterno retorno. Diferente de muitas bandas que almejam a venda e o mercado com seu primeiro trabalho, Peixefante seguiu seu coração e deixou seus pensamentos fluírem. Com uma sonoridade psicodélica, uma pegada de rock e, claro, um tempero tupiniquim, a banda constrói um som sólido. É bem possível que, ao ouvir o disco, venham alguns nomes na sua mente como Tame Impala e Os Mutantes, mas não se engane, Peixefante não faz o mesmo do mesmo. O som deles é único, cru e meditativo. Ao ouvir, parece que você realmente vê as cores e sente a temperatura. A segunda faixa “Por Baixo da Blusa” traz bastante esse sentimento, com uma melodia linda, um clima melancólico, mas não de tristeza, e sim de descoberta e despedida. Uma sensação que se aproxima daquele frio na barriga que a gente sente ao encarar algo novo. Talvez por esse ser o início da jornada.

Já a terceira faixa do disco “Tão Maior”, o nome já diz tudo. É uma canção grandiosa. Aqui você já percebe cores mais quentes. A quarta faixa “Cruzada Moderna” traz o silêncio seguido da explosão. O começo é sombrio, lento, cadenciado. Até entrar o a explosão do refrão, a combinação de riffs e efeitos, os vocais cantando em coro. “Entrestrelas” exala psicodelia. Completamente introspectiva, a música traz a sensação de que você está à deriva no espaço, vendo estrelas, planetas e cometas passar pela sua frente. “Simples”, penúltima faixa do disco, tem uma pegada folk, em que a voz e violão prevalecem, mas como é característico do som da banda, nunca é só voz e violão. A canção é regada a efeitos, riffs de teclado e os backing vocals dão aquela sensação de embriaguez, o que faz total sentido, já que aqui estamos completamente imersos. E por fim, “Lorde Pacal”, a canção da saudade, o retorno para casa como um ser transformado, iluminado. É a faixa mais progressiva do disco, repleta de altos e baixos. A música navega entre a psicodelia e o rock sem perder a elegância.

Peixefante não é aquela banda que se destaca por um instrumento específico. Não é o tipo de música que você escuta e fala “nossa, olha esse solo de guitarra”. Pelo contrário, o que torna o som deles tão bonito é exatamente o fato de todos os instrumentos estarem presentes na medida certa. Tudo soa bem, tudo se encaixa e se completa. Não é um disco para ouvir as faixas individualmente, mas sim uma obra para ser contemplada integralmente. Se na sua estreia a banda já ultrapassou barreiras, imagina o que o futuro guarda para eles? De uma coisa tenho certeza, Peixefante ainda vai dar o que falar.

Hugo Maia Safatle

Estagiário em Programação Musical na Rádio UFSCar

A seguir, a lista de músicas que você escuta de segunda a sexta, às 10h, na Rádio UFSCar:

Segunda-feira

1. Intro

2. Por Baixo da Blusa

Terça-feira

  1. Tão Maior

Quarta-feira

  1. Cruzada Moderna

Quinta-feira

  1. Entrestrelas
  2. Simples

Sexta-feira

  1. Lorde Pacal

Marcado como

Opinião dos Leitores
  1. Maria Elisa de Moura Ornelas   Em   31 de julho de 2015 em 09:59

    Eu sou suspeita como mãe de um dos integrantes da banda…sou mãe do Arthur Ornelas…os outros são meus “filhotes” agora…mas qdo escutei a primeira vez uma das músicas (“cruzada moderna “) lembrei da banda “Pink Floyd” e achei que era “corujisse” de mãe rsrs mas depois desse belo conceito narrado por vcs acredito que “acertei em cheio” …parabéns!!!

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios *


Rádio UFSCar

Tocando agora
TITULO
ARTISTA