Emicida – Emicídio

Escrito por em 24/10/2010

images

Saiu do forno a segunda mixtape do principal nome do novo rap brasileiro. Ao contrário de um álbum, novamente o formato é a compilação de músicas produzidas em diversos momentos, mas que ganham um significado forte juntas na urgência desta virada de década. Ela dá sequência em grande estilo ao primeiro trabalho lançado no ano passado, “Pra quem já mordeu um cachorro por comida, até que eu cheguei longe…”, inclusive com sons que não entraram naquele momento, que se juntam a novas ideias, agora contaminadas pelas vivências dos últimos tempos intensos de shows, destaque na mídia especializada e da imersão na sede do Laboratório Fantasma, seu selo e crew.

As faixas são emendadas como em uma história contada em crônicas urbanas narradas por diversos capítulos, alguns mais rancorosos, críticos e ácidos, contrabalanceado por outros momentos de maior tranquilidade, paixão e a busca por uma simplicidade, que ganha beleza no fluxo natural de sua poesia e ritmo. Ele transforma cada flash do dia a dia em música, atualizando seus sentimentos em formato de hinos e trilhas de superação. Retoma diversos elementos e argumentos do gênero, só que agora pelo viés do processo, onde a causa é maior do que a existência, sempre transparecendo a sensação da realidade levada até as últimas consequências, mesmo que auxiliado por citações da cultura de massa e do mundo pop.

Emicídio remete ao universo das batalhas e rinhas de MCs, onde derrubou diversos outros no improviso, mas ao mesmo tempo é uma morte do que ele era até este momento, e seu renascimento. O disco apesar de beber em muitas fontes diferentes, faz novamente uma grande reverência a cultura Rap com muitas histórias que contam sobre os caminhos que percorreu para chegar até aqui. Traz diversas reflexões sobre o papel de sua rima e sobre um sentido maior do trampo, de cada missão, subjetivizando o sentido de fé ao colocar para fora suas paixões, ódios, entre outros sentimentos, na perspectiva de mundo direto do olho do furacão.

Ao mesmo tempo em que vem a sensação de vanguarda, o passado é amplamente relembrado, à partir de suas raízes e referências musicais. Nas letras também cita momentos que viveu ao lado de parceiros, que inclusive participam de diversas músicas, como seu irmão Evandro Fióti, Kamau, DJ Nyack, DJ Will, entre outros amigos que diz tão antigos como seus ideais. E as produções mesclam beats bem agressivos e outras canções mais leves, flertando com elementos de samba, funky, jazz, rock e até maracatu, através dos trampos de Zegon, Base MC, Nave, Sketter, Casp, Felipe Vassão e Renan Samam.

Um trabalho que consegue ser artesanal e empreendedor em todos os sentidos, desde sua concepção até a distribuição capilarizada por todo o país através da Fora do Eixo Discos, que entra na sintonia em busca de ampliar a visão da nova música brasileira.

Por Jovem Palerosi aka Youngman
Programa Independência ou Marte – Rádio UFSCar
http://foradoeixo.org.br/independenciaoumarte

Lista das músicas que você confere durante toda a semana, às 10h, na Rádio UFSCar:

Segunda-feira
1 – E agora?
2 – Ce lá faz ideia
3 – Rinha (já ouviu falar?)
4 – Isso não pode se perder

Terça-feira
5 – Santo Amaro da Purificação
6 – Então Toma!
7 – Emicidio

Quarta-feira
8 – Santa Cruz
9 – Velhos amigos
10 – Rua Augusta
11 – I Love Quebrada

Quinta-feira
12 – Eu gosto dela
13 – Só mais uma noite
14 – De onde Cê Vem?!

Sexta-feira
15 – Um final de semana
16 – Novo nego véio
17 – Avua besouro
18 – Beira de piscina

Marcado como

Opinião dos Leitores

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios *


Rádio UFSCar

Tocando agora
TITULO
ARTISTA