DJ TUDO & Gente de todo lugar – “Nos quintais do mundo – my comunity is humanity”

Escrito por em 16/11/2010

capa-nos-quintais-do-mundo-dj-tudo-em-baixa

Uma ousada, profunda e muito bem sucedida fusão de ritmos, culturas e nacionalidades; foram essas as palavras que me vieram à cabeça depois de ouvir atentamente o álbum “Nos quintais do mundo – my comunity is humanity”, produzido por DJ TUDO & sua gente de todo lugar.

DJ TUDO continua suas andanças pelos confins do brasil, realizando registros, que somam mais de mil horas, da nossa musicalidade popular, proveniente das mais diversas manifestações e tradições, passando por festas populares, nações musicais e transes religiosos. Essas gravações são a matriz, a pedra bruta que DJ Tudo lapidou para chegar em “Nos Quintais do Mundo”.

As referências às raízes culturais brasileiras e suas manifestações musicais são o que liga esse álbum ao seu trabalho anterior, “Garrafada”, lançado em 2008, mas esse é também o ponto em que os dois discos se diferenciam e tomam rumos diferentes. Se, em Garrafada, os ritmos tradicionais são mesclados a elementos da música eletrônica/contemporânea, agora, os registros sonoros em si, em seu modo mais cru, sofrem uma fusão, em um grau de difícil descrição, junto a outras referências musicais, em um resultado que aponta para uma certa universalidade musical surpreendente!

Escolhidas algumas gravações de seu acervo, como o Maracatu Encanto da Alegria; o Ijexá do Afoxé Alaxé; o Boiadero Jaquatiara; a Tribo de Índio, registrada no bairro de Chão de Estrelas; e os Índios Pankararu, registrados no povoado do Brejo dos Padres em Tacaratu, Pernambuco, entre outras, DJ Tudo parte então para Europa e África. As gravações são apresentadas a vários músicos e produtores, que se somam sob o título de “Gente de Todo Lugar” e que gravam suas contribuições na França, Senegal, Inglaterra, Escócia e Suécia. De volta ao Brasil, mais Gente de Todo Lugar e, então, nas mãos e ouvidos de DJ Tudo, esse material se transforma nas onze faixas do disco “Nos Quintais do Mundo”. Aliás, todas as etapas desse complexo percurso estão detalhadamente descritas, inclusive com vídeos, no site do selo Mundo Melhor.

Através das onze faixas dos Quintais do Mundo, percorremos uma longa viagem, embalados ora pelo maracatu ou tambores tocados à mão, acompanhados das vozes senegalesas de Ameth male, ou Duggy-Tee, ora em dubs mixados por Mad Professor em cima de cantos indígenas, passando ainda por algo quase repente-eletrônico, entre outras paisagens sonoras. Ao final, todas as nossas raízes, nossas ancestralidades mais remotas estão afloradas, saindo pela boca e pelos poros! Uma audição altamente indicada contra todo os males, do corpo e, principalmente do espírito!

www.myspace.com/djtudo
www.selomundomelhor.org/nosquintaisdomundo

Por Lucas T. Ferreira,
a.k.a. Caixa-preta DJ,
Programador da Rádio UFSCar

As onze faixas do nosso disco nacional dessa semana você escuta diariamente, de terça à sexta às 10:00, na seguinte ordem:

Terça-feira:
1- Baque Forte
2- Gaita Mestra (cock soup mix)
3- Soul Massape (My community is humanity)

Quarta-feira:
4- Afro Jam
5- Baião Antigo
6- Quero Bater no Pandeiro

Quinta-feira:
7- A Barquinha de Noé
8- Malandrinho, o Maxixe
9- Vamos Ver Santa Efigênia

Sexta-feira:
10- Viagem à Tribo
11- Gaita Mestra (remix brasileiro)

Marcado como

Opinião dos Leitores

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios *


Rádio UFSCar

Tocando agora
TITULO
ARTISTA