Clarice Falcão – Monomania

Escrito por em 13/05/2013

Se ao ouvir “Monomania”, disco de estréia de Clarice Falcão, você esperava ouvir letras românticas cantadas numa voz suave, com um violão de base e pequenas nuances musicais ao fundo, você chegou quase perto. Só que ao invés de letras românticas, temos em suas composições um humor bem despojado. Clarice é atriz e participa dos vídeos do grupo de humor “Porta dos Fundos”, e, pegando carona no sucesso dos vídeos na internet, levou a experiência em fazer rir para o disco “Monomania”. Nem todas as músicas são felizes, entretanto, há diversas composições sobre amores não correspondidos ou terminados, mas todas com um toque de humor suave que arranca um sorriso de quem ouve.

Acho interessante fazer um paralelo aqui com outro disco que já teve sua resenha publicada no site da Rádio UFSCar, que seria o “Torres”, da cantora americana Torres. O formato é o mesmo: tanto “Torres” quando “Monomania” fazem valer a idéia de que “menos é mais”. Ambas cantoras apostam tudo na voz e violão (guitarra, no caso de Torres), mas trabalham cada faixa com uma orquestração diferente (um gaita numa faixa, um violoncelo em outra), o que acaba por dar o tom da canção. No final, essa combinação destaca as respectivas  vozes das cantoras e, principalmente, suas letras bem trabalhadas. Mas, enquanto a americana Torres compôs um álbum bastante emocional, pesado e “PJ Harviano”, Clarice Falcão explora o que há de mais engraçado nos amores terminados, nas decepções da vida e até no suicídio, de forma que, por mais triste que o tema seja, o humor prevalece.

O suicídio, por exemplo, está presente na faixa “Oitavo Andar”, faixa cujo vídeo foi postado no canal do Youtube da cantora, antes mesmo de qualquer anúncio sobre o futuro disco, uma espécie de single, portanto. É do oitavo andar que a protagonista da canção pensa em se jogar, depois que é abandonada pelo namorado: tudo de forma pensada, pois no momento em que o rapaz chegasse no andar térreo do prédio, mexesse no cabelo e acenasse para o porteiro, seria o tempo perfeito para o corpo da moça cair em cima dele e ambos morreriam juntos, numa espécie de final tragicômico ultrarromântico moderno. Mas o invés disso, a letra da música termina com a protagonista comendo uma torta de amora inteira para afogar as mágoas.

É desse tipo de humor que o “Monomania” está recheado. Outras faixas como “O que Bebi”, “Monomania” e “Eu Esqueci Você”, que também falam sobre relacionamentos que chegaram ao fim, têm um apelo mais sério; ou seja, mais triste mesmo. Mas não é só de desgraça que as músicas de Clarice se alimentam. Existem faixas legitimamente românticas, como é o caso de “De Todos os Loucos Do Mundo”, uma faixa que toda pessoa sã há de se identificar, pois o refrão diz “De todos os loucos do mundo eu quis você/ Porque eu tava cansada de ser louca assim sozinha/ […] Porque a sua loucura parece um pouco com a minha”.

Não posso deixar de falar na faixa “Eu Me Lembro”, uma parceria com o cantor capixaba Silva (na minha opinião, a parceria dos dois compositores mais fofos da música independente brasileira). A canção conta o primeiro encontro de um casal e é cantada com vozes alternadas: Clarice canta um verso, Silva canta outro, interpretando o ponto de vista da moça e do rapaz, respectivamente. E a sensação que temos é de que o rapaz repara na moça, e vice-versa, mas em nenhum momento eles se comunicam. Um amor platônico tão forte, que faz com que cada um se lembre de todos os mínimos detalhes do encontro.

Não há dúvidas de que Clarice Falcão vai conquistar o mundo com tanta fofura e despretensão. Mesmo eu, que já falei anteriormente na resenha do segundo disco do Bona Fortuna que não sou grande fã de músicas felizes, tive que tirar o chapéu para a criatividade e delicadeza da Clarice. Pois, além de provar sua habilidade como cantora e compositora, ela desmistifica o preconceito de que mulheres não sabem fazer humor, já que além do sucesso com o “Monomania”, é uma comediante consagrada na internet e, por mais que seja uma mulher muito bonita, não se vale disso para garantir seu sucesso muitíssimo merecido.

Diana Ragnole
Estagiária em Programação musical na Rádio UFSCar

A seguir, a lista de músicas que você escuta de segunda a sexta às 15h45, na Rádio UFSCar.

segunda-feira
1 – Eu Esqueci Você
2 – Macaé
3 – Monomania
terça-feira
4 – Um Só
5 – Fred Astaire
6 – Talvez
quarta-feira
7 – De Todos Os Loucos Do Mundo
8 – Qualquer Negócio
9 – Eu Me Lembro (feat. Silva)
quinta-feira
10 – O Que Eu Bebi
11 – A Gente Voltou
12 – Oitavo Andar
sexta-feira
13 – Capitão Gancho
14 – Fred Astaire (versão inglês)

Revisão: Nicole Santaella

Marcado como

Opinião dos Leitores

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios *


Rádio UFSCar

Tocando agora
TITULO
ARTISTA