Stardeath And White Dwarfs – Wastoid

Escrito por em 11/08/2014

Do nome à excêntrica capa, tudo sobre Wastoid, novo disco da Stardeath And White Dwarfs, fica muito mais fácil de entender quando se sabe que Dennis Coyne, frontman do grupo, é sobrinho de Wayne Coyne – também conhecido como aquele cara que se enrola em luzes de natal e canta as músicas do Flaming Lips. É, não tem como esconder a genética.
Com um nome desses na família, é difícil evitar comparações. E parece que Dennis se ligou nisso e absorveu tudo que Wayne tinha para lhe ensinar. Vocais sonolentos e reverberados? Confere. Letras nonsense? Também confere. Guitarras distorcidas, paredes sonoras de sintetizadores e baterias altamente saturadas? Sim, tem de tudo em Wastoid!

Pegando carona na recente onda psicodélica que atingiu em cheio a nova cena alternativa mundial – com grandes representantes como Tame Impala, Temples, e, aqui no Brasil, a Boogarins – Stardeath And White Dwarfs vem com peso e experiência suficientes para se destacar: na ativa desde 2005, Wastoid é o disco mais bem trabalhado do grupo e explora todos os cantos da neo-psicodelia, sempre mantendo a excentricidade como palavra chave. Entretanto, ainda há um apelo pop em meio aos “bleeps blops” sintéticos de Wastoid. Um estranho charme que o próprio Flaming Lips parece ter perdido com seu último lançamento, “The Terror”.

Há algo na parede sonora de “Chrome Children”, abertura do álbum, que a torna convidativa, por mais que a mixagem super saturada tente te convencer do contrário. A faixa título, então, exibe um misto de blues rock e lisergia de garagem, que rivaliza com o novo disco do Black Keys, feito acidentalmente sob medida para animar as pistas de dança alternativas. “Guess I’ll Be Okay” segue a mesma linha de garagem, só que numa onda mais Dinosaur Jr. de ser, e consegue ser um grande destaque a longo prazo.

Mas o grupo de Dennis Coyne também brilha quando diminui a velocidade. “Sleeping Pills And Ginger Ale” e sua percussão etérea criam um clima bem atmosférico, um dos grandes destaques do disco. “Luminous Veil” é uma balada folk lisérgica, que remete a cânones do gênero como “Do You Realize” (do próprio Flaming Lips).

No entanto,  o disco atinge seu ápice mesmo quando a banda do tio vem dar uma mãozinha: “The Screaming” cria um ambiente não muito diferente do de “The Terror”, com paredes sintéticas se erguendo através da repetição de padrões e, com seis minutos de duração, tem tempo de sobra para expandir numa explosão catártica, que absorve apenas os melhores pontos do disco novo do Flaming Lips.

Em suma, Wastoid é um ótimo exemplar da nova safra de rock psicodélico que tem ganhado tanta força recentemente. Stardeath And White Dwarfs faz jus à sua árvore genealógica e não desaponta, lançando um álbum coeso, centrado, e, sobretudo, divertido.

Henrique Gentil, bolsista de Programação Musical.
A seguir, a lista de músicas que você confere de segunda a sexta, às 16h00, na Rádio UFSCar.

segunda-feira
1. The Chrome Children
2. Frequency
terça-feira
3. Hate Me Tomorrow
4. Wastoid
quarta-feira
5. Birds Of War
6. All Your Friends
quinta-feira
7. The Screaming
8. Luminous Veil
sexta-feira
9. Guess I’ll Be Okay
10. Sleeping Pills And Ginger Ale
11. Surprised


Opinião dos Leitores

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios *


Rádio UFSCar

Tocando agora
TITULO
ARTISTA