Shamir – Ratchet

Escrito por em 25/05/2015

Nada como um pop bem trabalhadinho, de qualidade pouco duvidosa, pra te trazer de volta à Terra e te tirar das utopias do indie. Sim, talvez eu possa estar exagerando, e o álbum debuto do jovem Shamir nem seja tão referência assim aos fãs do querido mundinho pop, mas fato é, que o garoto norte americano, que começou a chamar atenção em 2014 quando lançou o elogiado Northtown EP, conseguiu – como poucos – atingir aquele difícil limiar no qual as coisas podem não ser absolutas, mas que, até por isso, conseguem agradar ambos os lados da moeda.

Negro e pós gênero, da pra imaginar que a infância de Shamir não tenha sido das mais fáceis. Os temas da aceitação e da afirmação, e das questões de gênero e sexualidade, são mesmo as linhas de coerência das letras de Ratchet, seu álbum de estréia que acaba de ser lançado pela XL Recordings, de nomes como FKA Twigs e M.I.A. Sendo também produzido por Nick Sylvester, antigo editor da Pitchfork e produtor chefe da Godmode, que se meteu a produzir discos e acabou se lançando como um dos grandes responsáveis pela sonoridade do álbum.

Mas como estava dizendo, Ratchet é um álbum que carrega as dores de alguém que por vezes foi tratado como “o estranho” perante a sociedade. “Growing up in Vegas and being the weird one out, you kind of have to put on a tough face” (Crescendo em Vegas sendo o estranho, você meio que tem que ser uma pessoa durona), da música que inicia o álbum – “Vegas” – já indica pra que caminho Shamir pretende levar o ouvinte, culminando em frases como “If I’m a demon, baby/you’re the beast that made me” (Se eu sou um demônio, você é a besta que me criou) em “Demon”. Temas que servem muito bem a atual revolução pelos direitos humanos pela qual passamos, se posicionando o artista como um representante de muitas vozes por vezes prejudicadas pelo padrão “maioria coxinha”, já bem conhecido por todos nós.

Com uma sonoridade que nos remete diretamente a bandas e artistas do synthpop, de gênese oitentista e revival 00’s, Shamir mostra que sabe fazer um som atualizadíssimo as tendências do pop – daqueles de sonoridade minimalista e exibicão de virtuosismo vocal – mas sem perder o peso de ter em bandas como o Hot Chip e o LCD Soundsystem, suas referências sonoras mais diretas. Linhas de baixo eletrônico e beats mínimos marcam a maioria das músicas, como a primeira “Vegas”. Uma boa dose de hip hop e falsetinhos bacanas do cantor/compositor fazem do single “On The Regular”, que chega a lembrar a diva Azealia Banks, um hit na certa. “Make A Scene” e “Youth” são praticamente odes à quase tudo que saiu da DFA Records nas últimas duas décadas, discopunk de deixar James Murphy (LCD Soundsystem) no chinelo – brincadeira. “Hot Mess”, “Head In Clouds” e “Call It Off”, a terceira sendo lançada em uma série de apresentações de novos artistas do YouTube, apresentam o lado mais dance do artista, com músicas de beats mais nervosos e riffs marcantes de sintetizadores. “Demon” é a lentinha do disco, declarações e indiretas marcam as linhas da canção mais melódica do álbum. Destaque maior ainda para “In For The Kill”, de jeitinho Hot Chip e brincadeira com o sax, já vale o disco todo. Em resumo, um disco bem consistente, que pode até dar uma enjoada lá pelo meio da audição, mas que não se perde tentando ser aquilo que não é.

Se realmente são poucos os que conseguem agradar gregos e troianos sem soarem pretensiosos ou perdidos no mar de referência, sem dúvidas, o jovem Shamir faz parte deste seleto grupo. Com canções que podem facilmente fazer parte do setlist “atacando de DJ gringo na baladinha hype“, o artista não escorrega nos perigos de parecer o mais do mesmo ao trazer uma boa dose de sinceridade em suas canções, sabendo muito bem onde quer chegar. É esperado que Shamir seja o nome da vez nos grandes festivais e eventos da indústria, aguardemos para ver.

Raul Ribeiro

Estagiário em Programação Musical na Rádio UFSCar

A seguir, a lista de músicas que você escuta de segunda a sexta, às 15h30, na Rádio UFSCar:

 

Segunda-feira

  1. Vegas
  2. Make A Scene

Terça-feira

  1. On The Regular
  2. Call It Off

Quarta-feira

  1. Hot Mess
  2. Demon

Quinta-feira

  1. In For The Kill
  2. Youth

Sexta-feira

  1. Darker

10. Head In The Clouds

Marcado como

Opinião dos Leitores

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios *


Rádio UFSCar

Tocando agora
TITULO
ARTISTA