Jake Bugg – Shangri La

Escrito por em 09/12/2013

Shangri La é uma cidade ficcional paradisíaca retratada no romance Lost Horizon, do inglês James Hilton. Uma espécie de utopia oriental que se tornou um símbolo bastante explorado pela cultura psicodélica sessentista, e comumente evocada para ilustrar a ideia do paraíso terreno. E é também o nome do segundo disco de Jake Bugg.

O queridinho do folk rock está de volta. Como todo nome novo na música que faz muito sucesso na sua estreia (temos exemplos que vão desde King Krule até Cícero), ele busca provar, nesse segundo trabalho, que não é apenas uma estrela cadente. Seu primeiro disco, autointitulado, lançado ano passado, chamou a atenção para seu talento cru e genuíno, alavancando sua carreira como uma nova promessa no cenário indie inglês.

Agora Shangri La vem, explorando estilos que vão desde o folk aao pop, para demonstrar a maturidade musical e comprovar que o potencial de Jake Bugg está sendo aproveitado. É o seu paraíso melódico, mas Jake não está sozinho nessa empreitada. Acompanhado do produtor Rick Rubin (responsável por discos como Toxicity, do System of a Down, Licensed to Ill, do Beastie Boys, Blood Sugar Sex Magik, do Red Hot Chili Peppers, entre muitos outros sucessos), ele com certeza recebeu um excelente aconselhamento sobre qual caminho seguir em Shangri La. O resultado não é muito certeiro, pois fica a sensação de que o cantor atirou para todos os lados a fim de acertar pelo menos um alvo, mas tecnicamente e criativamente o disco é eficiente e gostoso de ouvir.

Shangri La já começa agitado, com a curta faixa “There’s a Beast and We All Feed It”, que introduz a primeira parte do disco, que segue a mesma vibe, numa pegada mais garagem e indie rock. A faixa “Slumville Sunrise” aposta mais no blues rock, foi lançada como um dos singles, com videoclipe e tudo, e é uma das melhores do disco. O outro single “What Doesnt’ Kill You” também entra nesse começo do álbum, uma música que me lembrou muito a pegada mais suja, com vocal agudo e de versos rápidos do primeiro disco do Cage The Elephant. A pegada continua até a primeira baladinha, a romântica “Me and You”, folkzinho à la Bob Dylan (até o sotaque é parecido, mesmo o Jake Bugg sendo um inglês bem típico) que dá o primeiro alívio melódico do disco.

“Messed Up Kids” é uma parceria com Brendan Benson, cantor e compositor com uma carreira solo já bem consolidada e que atualmente toca com o The Raconteurs, responsável por dar a pegada enérgica da faixa, começando a segunda parte do disco. Temos mais romantismo com “A Song About Love”, que aposta num britpop estilo Oasis, mostrando uma faceta mais pop comercial de Jake, que até agora não havia sido explorada. E depois voltamos ao blues rock em mais uma parceria com Benson, na faixa “Kingpin”. No final do disco, Jake volta ao seu folk, sua marca registrada, para finalizar seu segundo trabalho como ele começou sua carreira. A música “Storms Passes Away” tem um tratamento country, e fala sobre a bonança pós-tempestade e sobre aquela sensação de estar exatamente onde deveria. Provavelmente é o jeito como Jake se sente em relação à sua Shangri La.

Diana Ragnole
Estagiária em Programação musical na Rádio UFSCar

A seguir, a lista de músicas que você escuta de segunda a sexta às 15h45, na Rádio UFSCar.

segunda-feira
01 – There’s a Beast and We All Feed It
02 – Slumville Sunrise
03 – What Doesn’t Kill You
terça-feira
04 – Me and You
05 – Messed Up Kids
quarta-feira
06 – A Song About Love
07 – All Your Reasons
quinta-feira
08 – Kingpin
09 – Kitchen Table
sexta-feira
10 – Pine Trees
11 – Simple Pleasures
12 – Storm Passes Away

Marcado como

Opinião dos Leitores

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios *


Rádio UFSCar

Tocando agora
TITULO
ARTISTA