Floating Points – Elaenia

Escrito por em 23/11/2015

Após singles e EPs lançados desde 2008, data em que mostrou ao mundo sua primeira música na plataforma do soundcloud, é então que Floating Points – projeto eletrônico do produtor britânico Sam Shepherd – enfim lança, neste mês de novembro, pela Luaka Bop, seu primeiro LP intitulado apenas como Elaenia. E como nem toda metáfora chega a ser bobagem, é interessante saber que “Elaenia” é também um gênero de aves da ordem dos Passeriformes. Gênero que compõe, segundo os especialistas, as espécies de maior dificuldade de identificação, sendo o canto dessas aves a melhor – e talvez única – forma de diferenciá-las.

Pois não haveria melhor figura de linguagem para aplicar a este mais novo disco obrigatório da música contemporânea ao redor do mundo. De difícil classificação, mas facilmente compreendido como um genuíno easy listening, Elaenia apresenta ao ouvinte uma experiência bem contemporânea, quando soma à levada do jazz instrumental, elementos e trajetórias pós modernas. Uma viagem sonora que percorre caminhos sinuosos da chamada “música ambiente”, assumindo precauções necessárias para também não esbarrar em clichês do gênero. Elaenia não é para ser ouvido enquanto “tira aquela soneca rápida depois do almoço”, é sim uma gratificante excursão por composições e texturas estritamente planejadas.

sam sheperd

“Nespole”, primeira faixa do álbum, é um experimento tão singular quanto o canto dos pássaros em uma manhã ensolarada, composta por texturas de sintetizadores e instrumentos não convencionais, e a música não parece ser quase nula de recursos percussivos. “Silhouettes (I, II, III)” é uma faixa de mais de 10 minutos que percorre diversas variantes do jazz, da instrumentação orgânica do “clássico” a liberdade estrutural e rítmica do “fusion”. Destaque para a faixa “For Marmish”, em que Sam Shepherd passeia por timbres trabalhados pela dupla de produtores Flying Lotus e Thundercat; e também para “Peroration Six”, na qual o produtor parece almejar sua cadeira cativa na britânica Radiohead, elevando as texturas de discos clássicos como Kid A e Amnesiac à caminhos ainda não percorridos pelos ingleses.

Floating Points pode não ser o nome que ganhará o grande público por sua extrema competência em apresentar um material de caráter visionário – não possui nem de longe o apelo comercial e imagético para tal. Algo que não impedirá a banda de incendiar os ouvidos daqueles dispostos a se aventurar por caminhos sonoros mais experimentais. Um retrato muito fiel da música contemporânea e vanguardista da metade da década, vale a pena conferir!


 

Raul Ribeiro, estagiário em programação musical na Rádio UFSCar

A seguir, a lista de faixas que você escuta de segunda a sexta, às 15h30. Você também pode ouvir o álbum na íntegra no sábado, às 15h, aqui na 95,3 FM, escute diferente!

 

Segunda-feira

1- Nespole

 

Terça-feira

2 – Silhouettes (I, II & III)

 

Quarta-feira

3 – Elaenia

4 – Argenté

 

Quinta-feira

5 – Thin Air

6 – For Marmish

 

Sexta-feira

7 – Peroration Six

8 – Precursor

Marcado como

Opinião dos Leitores

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios *


Rádio UFSCar

Tocando agora
TITULO
ARTISTA