Blonde Redhead – Penny Sparkle

Escrito por em 27/12/2010

Blonde Redhead - Penny Sparkle [2010]

O Blonde Redhead tem quase 20 anos de idade e, nesse momento, oito (!) discos lançados – e aposto que poucos de vocês os conhecem. Formada em 1993 por dois italianos e dois japoneses (um deles acabou se desligando da banda em seu início, agora um trio) residentes em Nova Iorque, a banda inicialmente era fortemente influenciada pelo No Wave, movimento artístico underground dos anos 70 na metrópole americana. O curioso nome, inclusive, fora retirado de uma música da “banda” (mais como um grupo de experimentações sonoras no wave) DNA, do guitarrista Arto Lindsay.

Em seus primeiros anos, o Blonde Redhead se baseou principalmente em experimentações com guitarras, distorções e os vocais divididos entre o italiano Amedeo Pace e a japonesa Kazu Makino. A partir dos anos 2000, especialmente em 2004, com Misery is a Butterfly, o trio se dispôs a experimentar outras sonoridades, se afastando do universo do noise distorcido e se aproximando de um som mais limpo e pop de elementos eletrônicos. Em 23, de 2007, a banda atingiu o nível de um disco pop por excelência. As guitarras estavam lá, mas na medida certa, e as melodias eram facilmente apreendidas de tons ao mesmo tempo graciosos e enérgicos.

Agora, chega Penny Sparkle. Aqui (quase) não há guitarras. Aqui não há gritos. Here Sometimes, o primeiro single, já nos mostra o que está por vir. Uma cama de sintetizadores (e não programações) e uma bateria leve e repetitiva, mantendo o passo para que a voz, cada vez mais etérea, de Makino tome conta da música. Entre os ruídos, a multiplicidade de elementos sintetizados e a bateria simples, nada tira o protagonismo do vocal feminino e quase que sussurrado da japonesa.

Nesse disco, só há uma faixa cantada por Pace. Makino tomou conta do Blonde Redhead. Das cores sonoras da banda, pelo menos. Ame ou odeie, é ela quem dá o tom e quem te faz chorar com My Plants Are Dead, Spain ou a faixa-título. Prova de uma banda que sempre se permitiu a reinvenção, Penny Sparkle é um disco melancólico, chuvoso e duro. E é tão bonito. Tornando complexo – mas também tão completo – tudo ao seu redor. Os sintetizadores seduzem e machucam, a bateria dá chão, mas você já foi pego. Já está com o mundo onírico da banda incrustado em você, pronto pra te fazer sonhar da cor que ele quiser.

Yasmin Muller
Programadora Musical da Rádio UFSCar
@djyasmina

Listas das músicas que você ouve, durante essa semana, às 16h00, na Rádio UFScar:

Segunda-feira:
1 – Here Sometimes
2 – Not Getting There

Terça-feira:
3 – Will There Be Stars
4 – My Plants Are Dead

Quarta-feira:
5 – Love Or Prision
6 – Oslo

Quinta-feira:
7 – Penny Sparkle
8 – Everything is Wrong

Sexta-feira:
9 – Black Guitar
10 – Spain

Disco da Semana 19 de setembro de 2010

Marcado como

Opinião dos Leitores

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios *


Rádio UFSCar

Tocando agora
TITULO
ARTISTA